Domingo , 5 Abril 2020
Home / Destaque / Novo 10, Rodriguinho chega ‘ansioso para suprir essa necessidade’

Novo 10, Rodriguinho chega ‘ansioso para suprir essa necessidade’

A reapresentação do elenco do Bahia ficou em segundo plano na Cidade Tricolor. Nesta segunda-feira (17), todas as atenções estavam voltadas para o novo camisa 10 do clube. Depois de ser anunciado oficialmente, o meia Rodriguinho foi apresentado para a imprensa.

Acompanhado do diretor de futebol Diego Cerri, o meia rasgou elogios ao clube no seu primeiro contato com o Esquadrão. “O Bahia tem um poder econômico interessante, uma estrutura boa, um time competitivo, um treinador que respeito e me deu uma estabilidade que eu preciso”, disse ao ser questionado sobre os motivos por ter escolhido o Bahia.

Já ao ser perguntado sobre a instabilidade da equipe, o novo contratado mostrou estar a par da realidade, mas preferiu não comentar:

Aos 31 anos, Rodriguinho chega após uma temporada ruim no Cruzeiro. Anunciado com pompas pelo time mineiro – que o contratou como substituto de Arrascaeta -, ele sofreu com lesões na coluna e ainda amargou o rebaixamento à Série B do Brasileirão com a Raposa. Agora, diz que está curado do problema e motivado para dar a volta por cima.

“Sofri um pouco com a coluna no ano passado, graças a Deus está superado. Foi um período difícil, nunca passei isso na carreira, tanto tempo sem jogar. Deixo o meu agradecimento ao DM (departamento médico) do Cruzeiro, me tratou bem. Estou curado, motivado para chegar aqui e fazer um grande trabalho, me preparar bem, estar no meu auge para fazer um grande trabalho e conquistar títulos”, explicou o jogador. Em 2019, ele só jogou até o final de maio. Depois passou por cirurgias na coluna em julho e em outubro.

No Bahia, Rodriguinho vai usar a camisa 10, número que estava vago desde a saída de Ramires, emprestado ao Basel, da Suíça, no ano passado. A posição é uma lacuna que o clube tentou preencher em 2019 com a contratação do venezuelano Guerra, sem sucesso.

O meia explica que, além do 10 clássico, pode fazer outras funções do meio-campo e ataque. “A expectativa sempre existe em torno dessa camisa. Me passaram que o pessoal vem cobrando um camisa 10, não desrespeitando o pessoal que está aqui e tem qualidade para essa função. Eu chego ansioso para suprir essa necessidade, motivado para estar ajudando o Bahia a crescer cada vez mais. Que seja um ano de vitórias e conquistas, que a gente possa conquistar os títulos que desejamos”.

“Eu já joguei tanto no tripé quanto como dez centralizado, flutuando. Também como segundo atacante. Quanto a isso é muito tranquilo para desempenhar as funções. Roger é um cara experiente, me conhece bem, onde eu posso ter uma melhor performance. A gente vai sentar, vai conversar para saber o que ele quer de mim”, disse Rodriguinho.

Veja Também

Cidade baiana lidera produção agrícola no Brasil

Uma cidade no oeste da Bahia ficou em primeiro lugar no ranking nacjonal de produção ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *