Sábado , 28 Março 2020
Home / Destaque / Vítima de estupro, menina de 10 anos grávida de cinco meses não pode abortar; entenda

Vítima de estupro, menina de 10 anos grávida de cinco meses não pode abortar; entenda

Vítima de estupro, uma menina de dez anos, com deficiência mental e episódios de epilepsia, foi internada em uma maternidade no Acre, na última semana, para realizar um aborto. A suspeita é a de que ela tenha sido estuprada por mais de uma pessoa e, por isso, teria o direito ao procedimento. Porém, como a gestação chegou ao quinto mês, ela não pode fazê-lo.

A criança vive com o pai e uma irmã na cidade de Tarauacá, a 400 quilômetros da capital Rio Branco. A polícia do referido município procura o autor ou os autores do crime e chegou a prender um vizinho da vítima, preventivamente, na última sexta-feira (20/12), mas ele nega as acusações.

Ao site Uol, o delegado Ricardo Casas explicou que, desde a prisão do suspeito, a polícia identificou outras pessoas que poderiam ter cometido o estupro, mas não pôde dar mais detalhes porque o inquérito corre em segredo de justiça, uma vez que envolve menor de idade.

“Ela tem o desenvolvimento mental reduzido e não consegue se expressar. Por causa disso, ainda não conseguimos fazer um retrato falado em que ela aponte o autor ou os autores. Mas ninguém está descartado”, explicou Casas.

O conselheiro tutelar de Tarauacá, Antônio de Souza Castro, disse que o estado de saúde da menina é estável, e informou que ela é acompanhada por uma psicóloga e recebe cuidados do pai, já que a mãe mora na zona rural. Ele foi informado do caso pelo hospital do município, no início de dezembro.

O QUE DIZ A LEI

O aborto é garantido por lei em caso de estupro, risco de morte para a mãe ou se o feto for anencéfalo, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que a interrupção da gestação seja feita até a 20ª ou 22ª semana, e com o feto pesando menos que 500g. Após esse período, o órgão recomenda o acompanhamento pré-natal especializado – o que provavelmente aconteceu com a garota. Uma interrupção a essa altura pode ser feita, mas representa mais riscos.

Segundo o delegado que apura os fatos, as autoridades chegaram até a menina após a vereadora Janaína Furtado (Rede) denunciar o caso em seu Facebook. No texto, escrito em 19 de dezembro, ela informa sobre o aborto:

“A menina já teria ido a Cruzeiro do Sul para retirada da criança, porém, isso não aconteceu porque o bebê já está com 5 meses. De acordo com informações de conselheiros tutelares, a justiça vai aguardar o nascimento do bebê para realizar o exame de DNA e identificar quem é o pai do bebê, entre os suspeitos apontados por ela”, escreveu Janaina. (Aratu)

Veja Também

Cidade baiana lidera produção agrícola no Brasil

Uma cidade no oeste da Bahia ficou em primeiro lugar no ranking nacjonal de produção ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *